superior
menu.gif

Untitled Document
 
   


27,28,29,30/06 e 01,02,03/07
Gramado

Estamos encerrando a turnê no Rio Grande do Sul em grande estilo, uma semana em Gramado... A principio o Zé faria três apresentações e daria um curso de teatro, mas devido a esse problema de voz que ele teve, duas apresentações foram canceladas. Sem problema, o importante era encerrar a turnê aqui em Gramado como o Zé de Abreu queria.
“Gente, Gramado no inverno é uma loucura!”
Passamos uma semana maravilhosa aqui... Com direito a tudo, fondue, café colonial, churrascaria, passei de teleférico, trenó suíço, etc... Bom a lista de agradecimentos depois da peça foi imensa, só de restaurante era uma infinidade...
O Zé ainda foi com sua esposa e o sonoplasta, pra Cambará do Sul fazer passeio pelas trilhas e ver os cânions, pelas fotos e pelo que eles falaram foi lindo...
Mas trabalhar é preciso e assim o fizemos.
Distribuímos cartazes por tudo quanto é lado, divulgamos pra todo mundo sobre a peça e o Zé dando entrevistas e indo pra lá e pra cá falar da peça. Montamos tudo quase sem problema nenhum... Quase... Acontece que o “pateta” do diretor de palco conseguiu cometer um erro quase mortal. Estamos montando o cenário e ele naquela rotina de sobe escada, desce escada, puxa escada pra cá e pra lá... E não é que numa dessas ele me deixa o martelo em cima da escada e vai puxar ela... Não preciso nem dizer o que aconteceu né... Sorte dele, que eu vi o martelo caindo e gritei pra ele. Foi o tempo suficiente pra ele desviar a cabeça e pegar só o cabo do martelo de raspão na testa dele. Mas tudo em ordem, alguns pontos depois e passado o susto ele já estava pronto pra outra.
Tudo pronto. Casa cheia. Ultima apresentação dessa turnê... Perfeito... Tudo saiu muito bem... O Zé tava ótimo em cena, nem parecia que a poucos dias ele estava completamente sem voz.... Ao final da peça um momento emocionante para nós... Ele chamou toda a equipe no palco... Era a despedida dessa “OH”, dos motoristas Nelson e Brás e da produtora local Ivana... Afinal a peça continua, mas sem essas figurinhas que com certeza deixarão saudades.

Hoje é dia 03 de julho, e estamos entrando numa nova etapa, o pessoal ta indo pra Porto Alegre, de onde cada um tomará um rumo. O sonoplasta vai pro Rio de Janeiro ver sua família, o José de Abreu e sua esposa vão pra Campinas em onde o Zé vai gravar um filme, o diretor de palco vai viajar junto com o cenário pra Itajaí, os motoristas assim como a produtora vão ficar em Porto Alegre e eu fiquei aqui em Novo Hamburgo, esperando contatos da organização, pois afinal, “o show está sempre apenas começando”, e o Zé tem muito ainda pra falar... Itajaí que nos aguarde, pois estamos quase chegando.

26/06
Porto Alegre/Gramado

O Zé ficou em Porto Alegre, junto com sua esposa e a produtora do grupo para ir no médico e ver como ele tinha reagido ao tratamento, quanto a nós, fomos pra Gramado na espera angustiante de noticias.
Mas “suor de Cristo tem poder” e é por uma mensagem de celular que recebo a boa nova, que imediatamente repassei pra toda equipe. “O patrão ta bem! Já estamos na estrada indo pra Gramado.”

22, 23, 24 e 25/06
Porto Alegre

Aleluia!!! Finalmente poderia realmente mostrar serviço. Vamos fazer três dias de apresentação no teatro do Sesc, e aqui tem equipamento bom de iluminação, com direito a mesa digital e tudo mais. Tudo está afinadíssimo. Som, luz, cenário... Dá gosto de ver... Mas o que preocupa é a voz do Zé... Essa preocupação já vem perseguindo a gente a alguns dias, mas a coisa ta preta agora... Ta na hora de começar o espetáculo e não sabemos se vai rolar ou não... Existem vezes que deixamos o coração superar a razão e o Zé optou por fazer a apresentação. Hoje ele transcendeu sua voz e foi unicamente com a alma pro palco. Fim da apresentação e o Zé não têm voz nem sequer pra agradecer. Mesmo assim, após respirar um pouco ele vem tirar uma foto com alguns fãs que o aguardavam pacientemente.
As apresentações dos dias 24 e 25 são canceladas. Ordens médicas. E por mais incrível que pareça, o Zé conseguiu cumprir uma ordem médica extremamente complicada para ele. Ficou esses dias todos sem falar, só se comunicando através de bilhetinhos.

21/06
Viagem pra Porto Alegre via Garibaldi de “Kombi”

Um belo presente do José de Abreu pra nós, ao invés de irmos direto pra Porto Alegre e almoçar por lá, fomos num lugar muito lindo em Garibaldi pra almoçar. Facinho de achar. Você só precisa chegar no vale dos vinhedos, dobrar umas sete vezes a esquerda e mais umas cinco a direita, subir e descer uns quatro morros que chega lá! Mas gente, vale a pena... Comida muito boa, paisagem linda e pra arrebatar uma graspa pra lá de especial. É lógico que depois desta orgia gastronômica a gente se perdeu, ou melhor, achou um caminho alternativo pra sair dali.

19 e 20/06
Farroupilha

Chegamos na cidade, almoçamos maravilhosamente bem e fomos pro hotel... Acomodamos o Zé, e ficamos decidindo como faríamos com resto da equipe. Mexe daqui, joga pra lá e pronto. Ficamos todos no mesmo hotel... Gente que lugarzinho mais aconchegante. A tarde fomos dar um passeio pelo de carro, apenas sair... Sem rumo...
Mais à tardinha o Zé seguiu com a rotina de sempre... Mil entrevistas... Estamos preocupados com a voz dele... Mas vai fazer José de Abreu ficar mais quietinho... Ele ama fala... “Fala até pelos tornozelos”. Algo diferente aqui, escutamos a entrevista dele pra uma rádio local pela televisão... Isso mesmo, toda equipe escutando o Zé de Abreu no canal 20 da TV a cabo local.
É dia da apresentação. A preocupação é apenas com a voz do Zé... A apresentação estava ocorrendo normalmente, até que um infeliz conseguiu quebrar o cabo de força da luz... Depois de um rápido apagão e com um técnico segurando o cabo quebrado durante o resto do espetáculo conseguimos chegar sem maiores problemas ao fim da peça. Mas a voz do Zé carece de cuidados.

16, 17 e 18/06
Esteio

Como a apresentação de hoje foi cancelada, já nos deslocamos pra São Leopoldo, pois ficaremos hospedados ali para realizar a apresentação de Esteio no domingo. Vamos aproveitar o tempo pra colocar a casa em ordem um pouco. O Zé vai descansar um pouco pois sua voz está pedindo esse descanso. Os motoristas ficam com a equipe até depois da janta e depois vão pousar em casa, afinal não é sempre que se está tão perto de casa. O diretor de palco conta os dias para que sua esposa chegue, trazendo junto sua filha caçula, o sonoplasta aproveita pra curtir a cidade ao lado da namorada e eu aproveito que estou na cidade vizinha da minha pra dar um pulo em casa e visitar minha família e rever meus amigos.
Todo mundo mais descansado, vamos à montagem... Gente, o teatro é alto pacas... Têm mais de dez metros entre o chão e a grade em cima do palco... Todos teremos muito trabalho aqui!
Ao contrario da apresentação anterior onde estávamos todos tranqüilos e ocorreu vários contra tempos, aqui que estávamos todos nervosos, saiu tudo perfeitamente bem... O Zé arrasou mais uma vez... Apresentação impecável!

16/06
S.S. do Caí

Este é um capitulo aparte na história da turnê da peça “Fala, Zé!”. Digamos apenas que por motivos que vão além de nossa alçada o melhor a fazer, pra não dizer única alternativa, foi cancelar a apresentação.

14 e 15/06
Santo Antonio da Patrulha

Mais um deslocamento tranqüilo e chegamos a Santo Antonio da Patrulha, o hotel em que estamos é bem bonitinho, na verdade estamos em duas cabanas gigantescas... A única coisa que falta aqui é internet, pois esse é um vicio e uma necessidade de alguns da equipe, principalmente do Zé, que precisa estar plugado ao mundo para resolver inúmeros assuntos.
Ficamos no hotel e o Zé foi pra sua habitual lista de compromissos... Entrevistas, visitar a prefeitura e na pequena sobra de tempo visitar um alambique, que é uma das especialidades da cidade.
A noite teria uma festa para irmos numa boate que ficava na mesma área do hotel, que era um verdadeiro parque, com fabrica de calçados, pesque e pague, academia, boate e hotel... Mas estávamos todos muito cansados... Porém, meio que combinamos o sonoplasta, sua namorada, a produtora e eu de irmos dar uma conferida na festa. A primeira a apagar foi a produtora... E lá pela uma da manhã escuto um assobio vindo da cabana onde estava meu amigo e sua companheira... Após uma troca de assobios que mais parecia uma senha e uma contra senha nos encontramos na rua e fomos pra tal festa... Até que tava legal, mas as músicas podiam ter sido um pouquinho melhor... Detalhe, mesmo de dentro das cabanas se ouvia o som tão alto que era como se estivéssemos dentro da boate. O Zé de Abreu mesmo disse: “Dormi dentro da boate hoje...”. Mas não dá nada... Temos muito trabalho a fazer.
Hoje nosso diretor de palco se superou, nós praticamente desmontamos o teatro local... Tiramos toda a estrutura de madeira que cobria o teto do palco, cheio de fio pro todo lado, coitado de quem for remontar tudo aquilo... Tudo perfeito, montado rápido... O som ta ótimo, o cenário ficou muito bonito e a luz ta bem afinada... Casa cheia e vamos começar mais uma sessão... Mas sabe aqueles dias em que tudo está tão perfeito que não pode ser verdade, pois é... Foi só começar o espetáculo pra coisas começarem a acontecer. No meio do canto inicial o Zé se engasgou com o vinho e recomeçamos a peça. Isso pode acontecer com qualquer um... Sem problemas, vamos lá... O Zé está cantando a música inicial novamente... Tudo certo até então, acaba a música, apago a luz e entra o telão... Telão?!!! “Mas que porra é essa?!”. O telão não ligou... Alguém quando foi apagar a luz da platéia sem querer apagou o disjuntor de luz dos projetores... Para se tudo e começa a peça mais uma vez... Tudo corre normalmente. Felizmente...
O Zé vai pro restaurante com o prefeito enquanto nós desmontamos tudo pra ainda hoje seguir viajem...

12 e 13/06
Lajeado

Dia 12 de junho... Dia dos namorados... E nós aqui em Farroupilha, o romantismo impera no ar e a saudade recai sobre os membros da equipe de trabalho... A esposa do diretor de palco está no Rio de Janeiro, a produtora no momento não compartilha sua vida com nenhum ser amado e eu acabo de sair de um relacionamento de longa duração... “No rádio toca Pino Donagio”, e a vontade é de cortar os pulsos... Mas não podia ser tudo tristeza, o Zé está ao lado de sua amada esposa, a namorada do sonoplasta tá aqui e um de nossos motoristas vai pra casa visitar a mulher, afinal além de ser dia dos namorados eles estão fazendo 24 anos de casamento... E num gesto de afeto, nosso diretor de palco presenteia o nosso outro motorista com uma rosa e um bilhete pra lá de comprometedor... Eles garantem que tudo não passou de uma armação feita pelo resto da equipe, mas como ninguém assumiu a autoria do fato, fica a questão no ar...
A voz do Zé ainda carece de cuidados, mas ao que tudo indica será tranqüilo amanhã na apresentação... Já começamos a montagem hoje...
É dia da apresentação, terminamos a montagem... E agora faremos um intervalo para assistir ao jogo do Brasil, sim senhores, o José de Abreu fará sua primeira apresentação de teatro em dia de jogo do Brasil pela copa do mundo... Não vamos negar que estamos preocupados com o público, pois foram vendidos pouquíssimos ingressos antecipados até agora...
Todos juntos no quarto do Zé... A seleção ganhou, mas não convenceu... Vamos para o teatro ver no quê que vai dar...
Falta uma hora pro início do espetáculo, acreditamos que teremos uma casa boa, mas não lotada... Já a menina do Sesc me disse que a casa vai lotar...
Acreditem já passou dez minutos da hora prevista pra iniciar o espetáculo e não para de chegar gente... Mais de quinhentos ingressos vendidos na hora pra ver o José de Abreu... Não tenho palavras pra descrever isso aqui... Essa platéia ta linda!
A peça corre muito bem... A participação do público ta ótima. Fim de peça, agora é a vez da equipe aprontar uma. Hoje o Zé a Camila estão comemorando dois anos de casamento... Flores, parabéns... Tudo de bom e toda felicidade para o casal!

10 e 11/06
Cachoeira do Sul

Já estamos em outra cidade, desta vez é Cachoeira do Sul que irá ver o “Fala, Zé”. A equipe está toda reunida novamente e começamos a função de montar toda a estrutura da peça. Nossa real preocupação é com o Zé de Abreu que está quase sem voz, também não é fácil apresentar quase todo dia e ainda dar mil entrevistas...
Após terminado o trabalho de montagem uma funcionária do clube onde a peça irá ser apresentada não acredita que aquele palco tão simples pode se tornar o que estava diante de seus olhos.
Hoje o Zé de Abreu mostrou do que realmente é formado um ator, superando sua maior adversidade desde que acompanho o grupo, a falta de voz... O espetáculo ocorreu perfeitamente e agora temos um dia de descanso antes da próxima apresentação. Todos os cuidados voltados para a voz de José de Abreu.

09/06
Venâncio Aires

Hoje já estamos em Venâncio Aires, o lugar é legal, só que tem uma escada alta pra caramba pra chegar no salão onde será a apresentação, sorte que temos duas pessoas pra ajudar a carregar o cenário...
Depois de tudo pronto o lugar ficou irreconhecível, isso graças a dedicação do nosso atual diretor de palco, Roberto Cebolinha, que não poupa esforços para deixar o palco nas melhores condições para o Zé de Abreu atuar.
Estamos quase começando o espetáculo e coisas engraçadas também acontecem, duas meninas, que me perdoem se eu estiver enganado, mas acredito que deveriam ter 12 ou 13 anos pediram pra tirar uma foto com nosso sonoplasta, mas também tem que ver a pinta do cara, né... (risos) Nunca tinha visto ele tão encabulado... Mas bola pra frente que atrás vem gente... O espetáculo rolou com perfeição... E segui a rotina diária.
Agora são 05:00 da manhã do dia 10/06 e estou me preparando para ir junto com um de nossos motoristas buscar a namorada de nosso sonoplasta no aeroporto em Porto Alegre. Vamos aproveitar e pegar algumas coisas que estamos precisando e, como é dia de folga, vou fugir para Novo Hamburgo, minha terra natal.

07 e 08/06/06
Santa Cruz

Chegamos na cidade um dia antes da apresentação, vamos montar tudo somente amanhã... Então é dia de folga.... Alguns aproveitam pra descansar, outros pra fazer compras e o nosso sonoplasta, que cá entre nós mais parece o segurança do grupo, resolveu dar uma olhada em um equipamento de som novo para o grupo. Como não tinha nada pra fazer resolvi ir junto... Ótimo, encontramos o equipamento perfeito e com um preço bem razoável. Aproveitamos bem o tempo e toda a equipe técnica, o operador de áudio que acumula a função de operador de vídeo, o diretor de palco e eu, vamos conhecer o Teatro onde o Zé de Abreu vai se apresentar no dia seguinte. Tivemos uma ótima surpresa, com um teatro com bons recursos técnicos.
Dia do espetáculo, montamos tudo, enquanto isso o Zé segue com sua rotina cansativa de entrevistas e palestras. Ele adora falar, mas com essa seqüência enorme de apresentações a voz dele pode ficar prejudicada, e ele presa muito pela qualidade do espetáculo.
Faltam apenas alguns minutos para iniciar a apresentação e estamos todos no camarim com José de Abreu; nesses anos todos vendo espetáculos com atores e atrizes famosos, nunca vi um camarim tão democrático como esse. Não basta ser um ótimo ator, é preciso ser um grande ser humano e Zé de Abreu executa com maestria essas duas coisas.
Hoje o espetáculo foi tranqüilo, sem nenhum incidente... Agora vamos pra nossa rotina, desmontar tudo e acomodar da melhor forma na caminhonete pra amanhã seguir viagem.

06/06/06
Igrejinha

São 08:13 da manhã, mais um daqueles dias em que o mundo vai acabar, mas não para mim, afinal, estou começando minha turnê com a peça “Fala, Zé”, com o ator José de Abreu.
Fui convidado a integrar a equipe técnica com a função que ninguém mais tinha saco pra fazer, ser o escriba oficial da turnê; sendo assim, serei eu o responsável por escrever o diário de bordo...
Bom, vamos iniciar o relato...

Agora já são 08:20 e estou aqui na Suci, acho que se escreve assim, um clube na cidade de Igrejinha, sozinho! Ligo para o hotel e descubro que o resto do pessoal está a tomar café, oh folga, hein? Bom, resta esperar...
Chegou o resto da equipe, já são 10:20, agora é que o bicho vai pegar, temos de montar tudo. O palco é bem pequeno, mas vai dar conta do recado...
Meio-dia, que hora feliz... Tudo tranqüilo, comida boa, descanso e...
Epa!!! Nossa primeira baixa, e agora?! Vamos ao remanejamento de pessoal. Com a saída do nosso diretor de palco, o nosso iluminador assumiu sua função, e agora quem vai fazer a luz??? Meu Deus!!! Eu vou ter de fazer a luz!!!
Sem problema, tranqüilo... AAHHH!!!

São 20:00 horas, o Zé tá pronto, tudo pronto e a casa tá cheia, como sempre!
Beleza, o espetáculo ta rolando super bem... “Mas que merda é essa?” Tem uma mulher sentada na beira do palco... Não tem mais, ela subiu no palco... Mas o Zé tirou ela de letra... Tudo normalizado e o espetáculo segue normalmente... Apaga-se a luz e fim de papo, tudo certo... Agora resta desmontar, hotel e amanhã outra cidade...

 

 

 

 

 

 

 



 
 

 

 

inferior